Search
Close this search box.

Este sábado (13) é a data em que se comemora o Dia Mundial do Rock. Durante o Live Aid 1985, festival beneficente para arrecadar dinheiro no combate à fome na Etiópia, Phil Collins falou do desejo de que aquele fosse o dia mundial do rock. A data, porém, não é tão mundial assim. Na Inglaterra e nos Estados Unidos, isso não é tão levado sério. No Brasil, o “dia mundial” se consolidou após rádios de rock citarem muito a comemoração.

O Paysandu recebe o Ceará nesta sexta-feira (12), no estádio da Curuzu, em partida válida pela 15ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. O Papão ocupa a 15ª colocação com 17 pontos, enquanto o Vozão é o 11º com 19 pontos. Confira a seguir onde assistir Paysandu x Ceará ao vivo.

Como chegam os times

Após um início terrível, a equipe Bicolor vem em um momento de recuperação. Na rodada passada, o Papão visitou o Coritiba no Couto Pereira e ficou apenas no empate por 1 a 1. Nicolas abriu o placar para o Lobo, mas Lucas Ronier igualou para os donos da casa.

Com isso, o Paysandu chegou a cinco partidas sem perder na competição, com duas vitórias e três empates, e abriu quatro pontos de distância da zona de rebaixamento. O problema da equipe paraense é a dificuldade em vencer dentro de casa, já que o Papão tem uma vitória e cinco empates na Curuzu.

Para a partida, o técnico Hélio dos Anjos desfalca a equipe após receber os cartões amarelo e vermelho na rodada anterior. Além dele, o zagueiro Wanderson também está no gancho por acúmulo de cartões. Entretanto, o meia João Vieira volta ao time após cumprir suspensão.

Do lado do Ceará, o técnico Léo Condé não contará com o meia Lourenço, que levou o terceiro cartão amarelo. Em compensação, o meia Recalde e o atacante Facundo Barceló voltam de contusão, enquanto o atacante Facundo Castro é dúvida.

Na rodada passada, mesmo com um jogador a mais durante metade do segundo tempo, o Vozão recebeu o Santos na Arena Castelão e perdeu por 1 a 0. Otero marcou o gol da vitória que colocou o Peixe de volta à liderança da Série B.

Com esse resultado, o Alvinegro de Porangabuçu tem agora apenas uma vitória em seis jogos na Série B. Consequentemente, a equipe caiu para a metade de baixo da tabela, após figurar no G-4 algumas rodadas atrás.

Onde assistir Paysandu x Ceará

O duelo entre Paysandu e Ceará no estádio da Curuzu começa às 21h30, no horário de Brasília, com transmissão ao vivo de Sportv (TV fechada) e Premiere (pay-per-view).

Assine a newsletter do Giz Brasil

O Paysandu carrega uma invencibilidade de cinco partidas, mas entra em campo com a necessidade de voltar a vencer em casa. De seis jogos como mandante na Série B, os bicolores venceram apenas um, contra o América-MG, na 9ª rodada, e empatou os outros cinco.

O ex-presidente dos EUA, Barack Obama, conversou com a ex-porta-voz da câmara, Nancy Pelosi, em particular sobre Joe Biden e o futuro de sua campanha de 2024. Os dois expressaram preocupação sobre o quão difícil eles acham que se tornou para o atual presidente derrotar Donald Trump. Nenhum dos dois tem certeza sobre o que fazer.

Os democratas estão desesperados para que as desanimadoras lutas internas acabem para que possam voltar a tentar derrotar o ex-presidente Donald Trump. E estão implorando a Obama ou a Pelosi que os ajudem a chegar lá, cientes de que o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, não tem a confiança de Biden e que o líder da minoria na Câmara, Hakeem Jeffries, não tem a profundidade de relacionamento necessária para transmitir a mensagem.

A CNN conversou com mais de uma dúzia de membros do Congresso, agentes e várias pessoas em contato com Obama e Pelosi, muitos dos quais dizem que o fim da candidatura de Biden parece claro e neste momento é apenas uma questão de como isso vai se desenrolar, mesmo após a entrevista coletiva de quinta-feira (11) à noite.

E se esses dois pensam o contrário, dizem vários líderes democratas, precisam dizer isso claramente o mais rapidamente possível, antes que ainda mais danos sejam causados, menos de quatro meses antes das eleições.

Muitos dos colegas de Pelosi esperam que ela consiga pôr fim à turbulência que envolveu os democratas nas últimas duas semanas. E para uma boa parte deles, esse fim pode ocorrer se e quando ela disser a Biden que ele terá que desistir.

Pelosi conversou com Biden desde o debate, mas desde então, a democrata da Califórnia deixou claro que não vê a decisão de Biden de permanecer na disputa como final. Mas ela, por meio de um assessor, se recusou a comentar mais.

A decisão de Obama de não fazer qualquer comentário público durante duas semanas deixou vários líderes democratas com a sensação de que ele os deixou em dificuldades ao manter a mesma postura que definiu em grande parte a sua pós-presidência.

Após o debate, ele postou no X: “Noites de debate ruins acontecem. Acredite em mim, eu sei”, reiterando esse sentimento em uma arrecadação de fundos em Nova York para os democratas da Câmara na noite seguinte ao desempenho de Biden. O ex-presidente nem tinha planejado fazer qualquer declaração pública, mas os assessores de Biden e Obama se coordenaram para divulgar essa postagem de uma forma que refletisse a versão da campanha de Biden de que o primeiro debate da campanha à reeleição de Obama em 2012 também correu mal, e não levou à desistência da corrida.

Mas o ceticismo crescente de Obama sobre a capacidade do seu amigo de vencer a reeleição é um dos segredos mais mal guardados em Washington.

Barack Obama e Nancy Pelosi / Getty Images via CNN Newsource

Quando a história deste extraordinário período de duas semanas da política americana for escrita, as impressões digitais de Obama e Pelosi serão muito mais aparentes do que se sabe atualmente, disseram à CNN pessoas familiarizadas com o assunto, já que os líderes democratas serviram de guia para uma festa em pânico.

“Eles estão observando e esperando que o presidente Biden tome uma decisão por conta própria”, disse à CNN um democrata de longa data próximo a todos eles, falando sob condição de anonimato para evitar ser visto como desrespeitoso com Biden.

A campanha de Biden não quis comentar.

Embora não conteste que a ex-porta-voz da Câmara e Obama tenham falado sobre Biden, um assessor de Pelosi falou à CNN após a publicação deste artigo pela primeira vez: “Não há nenhum membro do Congresso que tenha conhecimento de qualquer conversa que Pelosi teria com o presidente Obama. Qualquer um que diga que sim não está falando a verdade”.

Obama tem recebido mais ligações do que faz, dizem pessoas que falaram com ele. Quando fala com doadores e responsáveis ​​democratas ansiosos, tem ouvido mais do que falado, evitando cuidadosamente assumir posições que, supõe, iriam vazar rapidamente.

Essa também foi a abordagem de Obama à ligação que teve com Biden após o debate, que o atual presidente sugeriu a outros que incluía o apoio do ex-presidente para que ele superasse a turbulência. Porém, de acordo com outras pessoas familiarizadas com o apelo, Obama manteve a sua postura de ser uma “caixa de ressonância e conselheiro privado”. Ele interpretou o advogado do diabo. Mas ele não tomou posição.

Em conversas com alguns democratas nas últimas duas semanas, Obama afastou a noção de que poderia empurrar Biden numa direção ou noutra, mesmo que quisesse, o que sublinha a sua relação complicada, mas leal, de longa data. E a situação complicou-se ainda mais durante o tempo que passaram separados: desde que deixaram o cargo – e dos seus almoços semanais na Casa Branca durante oito anos – os dois têm falado muito menos do que alguns dos seus conselheiros muitas vezes insinuaram.

Se o ex-presidente tentou convencer Biden a sair, dizem pessoas que conhecem Obama, ele conhece o prisma através do qual isso pode ser visto. Biden escreveu que sentiu que Obama não o encorajou a chegar atrasado às primárias democratas nos meses após a morte de seu filho Beau em 2015. Embora Obama acredite que estava tentando ajudar seu então vice-presidente a se concentrar em sua dor e não no que teria sido uma campanha primária incrivelmente difícil contra Hillary Clinton e Bernie Sanders, talvez não fosse assim que outra conversa seria.

“Biden diria: ‘Bem, senhor presidente, você já usou essa carta em 2015 e ela nos trouxe Donald Trump’”, especulou um antigo assessor de campanha de 2020. “Acho que isso o endureceria ainda mais”.

Obama também detesta dar a Trump, que é sempre estimulado por ele, qualquer material novo ao envolver-se ativamente.

No passado – incluindo durante as primárias democratas de 2020 – Obama entendeu que seu papel no partido era unificar a estrutura numa validação da direção que a legenda deveria tomar em momentos em que diferentes partes da coalizão estivessem céticas.

Até agora, ele não se comprometeu a desempenhar esse papel na turbulência sobre se Biden deve permanecer como candidato, o que acontecerá se ele permanecer ou o que acontecerá se ele mudar de rumo e decidir ir embora. “Bem, ele é conhecido como Obama sem drama”, disse o deputado Emanuel Cleaver, um democrata do Missouri. “Então, se há drama, é ele quem deve lidar com isso”.

A abordagem indiferente de Obama – pelo menos publicamente – tem sido vista por alguns próximos dele como uma forma de manter a pólvora seca, caso ele precise ter uma conversa franca e difícil com Biden.

“Ele vai apostar tudo na chapa democrata. Não importa quem seja o nosso candidato, ele estará se esforçando para ajudar a garantir que essa pessoa ganhe em novembro”, disse uma pessoa que fala regularmente com Obama.

Obama esteve ao lado de Biden durante dois eventos de angariação de fundos este ano, incluindo o evento de Los Angeles no mês passado, no qual George Clooney mais tarde reconheceria que estava alarmado com a forma como Biden se comportou.

Biden acordou na Itália um dia antes da arrecadação de fundos – após vários dias de reuniões do G7 – e teve que voar durante a noite através de cinco fusos horários para chegar lá, porque o copresidente da campanha, Jeffrey Katzenberg, estava ansioso para realizar o evento com tema de Hollywood e Clooney disse à campanha que só havia um dia em que ele estaria disponível, dado seu cronograma de filmagens.

Mesmo no caminho para lá, Obama questionou a ideia de submeter qualquer candidato presidencial à pressão desse tipo de agendamento.

“Ele era o mesmo homem que todos testemunhamos no debate”, escreveu Clooney num ensaio no The New York Times esta semana, implorando a Biden que se afastasse.

Foram essas palavras que enfureceram alguns partidários de Biden, que sugeriram que Obama estava por trás do artigo de Clooney. O ex-presidente, amigo do ator, sabia que isso aconteceria, mas não tentou impedir. Para alguns defensores de Obama, essa foi uma forma de preservar a sua neutralidade, mas para alguns partidários de Biden, foi um sinal de profunda traição.

Obama esteve nos bastidores e no palco com Biden por muito mais tempo do que Clooney. Outros na época atribuíram a situação em que o presidente se encontrava devido ao cansaço da viagem.

Um assessor de Obama não quis comentar.

Pelosi rompeu novamente a barragem

Quando os democratas da Câmara deixaram sua reunião privada na manhã de terça-feira, muitos sentiram que o pior poderia ter passado para o presidente. A maioria dos comentários anti-Biden na reunião vieram de membros que já haviam pedido sua saída.

Então Pelosi foi ao “Morning Joe” da MSNBC na manhã de quarta-feira para uma aparição há muito agendada e aproveitou a participação em um programa a que o presidente costuma assistir para lançar grandes dúvidas sobre sua candidatura. Em privado, ela dizia aos colegas para não envergonharem Biden enquanto os líderes da Otan estivessem na cidade. Mas ainda mais democratas interpretaram seus comentários como um passe livre para emitir suas declarações pedindo que Biden se afastasse.

Pelosi conhece Biden há décadas. Ela é três anos mais velha que ele. Ela tem sido uma de suas defensoras mais ferrenhas, inclusive durante as primárias de 2020. Ela não é mais representante da Câmara e não tem nada a perder.

“Acho que neste momento, se Biden acabar renunciando ao cargo de indicado, ela provará ser o líder democrata mais importante”, disse um democrata da Câmara. “É ela quem está numa situação como esta, especialmente em termos geracionais, que tem credibilidade para opinar sobre algo que é tão sensível e importante”.

Pelosi planeja voltar para casa, em São Francisco, nesta sexta-feira.

Hakeem Jeffries, líder do partido Democrata da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, disse em uma carta aos seus colegas nesta sexta-feira (12) de manhã que se encontrou com o presidente Joe Biden na quinta-feira (11) à noite.

“A reunião ocorreu ontem à noite. Na minha conversa com o presidente Biden, expressei diretamente toda a amplitude de ideias, perspectivas sinceras e conclusões sobre o caminho a seguir que a liderança democrata compartilhou em nosso tempo recente juntos”, informou Jeffries.

A reunião ocorreu após a entrevista coletiva de Biden, de acordo com uma fonte familiarizada com a reunião.

Entretanto, Jeffries não ofereceu seu apoio a Biden durante a reunião, segundo uma fonte.

Uma pessoa familiarizada com a reunião disse à CNN que Jeffries compartilhou “sem rodeios” as opiniões da liderança (como ele declarou na sua carta), mas intencionalmente não ofereceu endosso ou disse publicamente que a decisão de se afastar da campanha é de Biden.

Embora seja incerto se Biden pediu apoio diretamente a Jeffries, uma pessoa familiarizada com o assunto destacou que o líder da Câmara não o estendeu na reunião ou na carta pública desta sexta-feira.

Coletiva de imprensa e pressão contra candidatura

Na noite de quinta, Biden concedeu entrevista coletiva à imprensa, na qual respondeu perguntas sobre o governo, mas, principalmente, sobre a candidatura à reeleição.

O presidente americano chamou a vice-presidente Kamala Harris de Donald Trump, ex-chefe de Estado e candidato do partido Republicano para as eleições de 2024.

Em outro momento, ressaltou que Harris é qualificada para ser presidente dos EUA e elogiou a companheira de chapa.

Tudo isso acontece em meio à pressão dentro do próprio partido Democrata contra a candidatura de Biden. Diversos parlamentares e doadores pediram publicamente que o líder deixe a disputa eleitoral.

Crédito, Chris Kleponis/CNP/Bloomberg via Getty Images

Legenda da foto, Biden confundiu nome de Kamala Harris com de Trump, horas após chamar Zelensky de Putin em evento da cúpula da Otan

  • Author, Anthony Zurcher
  • Role, Correspondente de América do Norte da BBC News
  • Twitter,

Joe Biden subiu ao palco na noite de quinta-feira (11/7) para uma dar uma entrevista coletiva com muitas coisas por um fio — sua presidência, sua esperança de ser reeleito e sua vida política.

Tudo isso está em jogo, mas ele praticamente não admitiu na coletiva de uma hora que marcou o fim da reunião de cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Embora tenha minimizado as preocupações sobre sua campanha na tão aguardada coletiva de imprensa, após repetidos questionamentos de jornalistas, duas gafes excruciantes, que não ajudam em nada sua situação, vão ser lembradas por quem assistiu.



 

Acessibilidade




O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, enfrentou mais apelos de colegas democratas para abandonar sua candidatura à reeleição na sexta-feira, após uma entrevista coletiva na qual ele deu respostas variadas, mas ocasionalmente tropeçou nas palavras.

Não ficou claro se o desempenho de Biden convenceria os céticos de seu partido de que ele é a melhor aposta para derrotar o republicano Donald Trump na eleição de 5 de novembro e cumprir outro mandato de quatro anos na Casa Branca.

Até o momento, pelo menos 17 democratas do Congresso pediram que ele desistisse e permitisse que o partido escolhesse outro candidato, incluindo alguns que anunciaram suas posições após a coletiva de imprensa na noite de quinta-feira.

Os democratas estão preocupados que os baixos índices de aprovação pública de Biden e as crescentes preocupações de que ele seja velho demais para o cargo possam fazer com que eles percam cadeiras na Câmara e no Senado, deixando-os sem controle sobre o poder em Washington caso Trump ganhe a Casa Branca.

Mas Biden deixou claro que não planeja se afastar.

“Se eu aparecer na convenção e todos disserem que querem outra pessoa, esse é o processo democrático”, declarou Biden, antes de mudar para o que ele costuma usar para dar ênfase e acrescentar: “Isso não vai acontecer”.

Biden talvez não tenha tranquilizado aqueles que ficaram assustados com seu fraco desempenho no debate presidencial contra Trump em 27 de junho.

Em um determinado momento, ele se referiu à sua vice-presidente, Kamala Harris, como “vice-presidente Trump”. Isso aconteceu poucas horas depois de ele ter apresentado o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy como “presidente Putin” na cúpula da Otan, arrancando suspiros dos presentes na sala.

Biden ocasionalmente distorceu suas respostas na coletiva de imprensa, mas também fez avaliações detalhadas de questões globais, incluindo a guerra da Ucrânia com a Rússia e o conflito Israel-Gaza, que serviram como um lembrete de suas décadas de experiência no cenário mundial.

Alguns democratas não ficaram tranquilos.

“Precisamos apresentar o candidato mais forte possível para enfrentar a ameaça representada pelo prometido autoritarismo MAGA de Trump. Não acredito mais que seja Joe Biden”, disse o deputado Jim Himes, de Connecticut, que pediu ao presidente que encerrasse sua campanha após a entrevista coletiva.

Uma autoridade sênior da campanha que falou sob condição de anonimato chamou o desempenho de “o pior de todos os mundos. Não foi bom. Mas não ruim o suficiente para fazê-lo mudar de ideia… Isso dará a alguns cobertura suficiente para apoiá-lo publicamente, apenas para dizer que ele não está preparado para isso em particular”.

O arrecadador de fundos Dmitri Melhorn afirmou que outros doadores lhe disseram que viram um bom desempenho do presidente. “Essa é a pessoa que pode derrotar Trump. Os erros estão embutidos e o lado positivo é forte”, disse ele à Reuters.

Biden fará um comício na sexta-feira em Detroit, onde sua campanha diz que ele se concentrará nos “perigos” da agenda de Trump.



ESPORTES