Conecte-se Conosco

Saúde

Fiocruz prepara médicos para o combate a efeitos de agrotóxicos

Avatar

Publicado

em

fiocruz-prepara-medicos-para-o-combate-a-efeitos-de-agrotoxicos

Um grupo de 47 médicos de várias regiões do país, que atendem em áreas rurais e assentamentos, participou durante cinco dias, na sede da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), na zona norte do Rio de Janeiro, do Curso de Saúde e Agrotóxicos para o Fortalecimento do SUS no Campo. O encontro foi organizado pela Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS) da Fiocruz, em parceria com a Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares (RNMP), o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) e a Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e Pela Vida.

Para a Fiocruz, o curso, que terminou neste domingo (28), representou um “marco na busca por soluções efetivas diante dos impactos dos agrotóxicos na saúde humana”. A intenção foi abordar a problemática dos agrotóxicos, por meio de debates sobre as estratégias de controle social e vigilância popular em saúde e, com isso, fortalecer a atuação dos profissionais de saúde dentro do Sistema Único de Saúde (SUS), com o combate à subnotificação de intoxicações por agrotóxicos e ampliação da conscientização sobre essa questão.

“Foi uma formação bem consistente para sedimentar conhecimento nos campos de diagnóstico, de tratamento, de prevenção, promoção da saúde e de vigilância em saúde nos territórios, um tema muito abordado, com a possibilidade de eles se tornarem multiplicadores, isso, como um primeiro encaminhamento desses profissionais com as equipes de saúde locais”, analisou o vice-presidente de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde, Hermano Castro, em entrevista à Agência Brasil.

O vice-presidente destacou que o combate aos efeitos dos agrotóxicos não é fácil, uma vez que a quantidade de tipos desses produtos é muito grande e pode provocar diversos sintomas, inclusive com impactos na saúde mental. “Para cada tipo de cultura, tem um tipo de agrotóxico, então os sintomas são diferentes”, disse.

Publicidade

Participaram do curso 47 profissionais de várias regiões do país – Giulia Miragaya / VPAAPS- Fiocruz

Hermano Castro adiantou que a Fiocruz pretende dar uma continuidade ao curso por meio de uma plataforma, que poderia atender os profissionais em diferentes regiões do país. Segundo ele, o modelo será discutido com as entidades parceiras, e a ideia é fazer a educação continuada com o grupo que participou deste curso. “Exatamente para a gente ver a constituição de uma plataforma de formação, inicialmente com esses que já começaram e depois a gente poder ampliar para outros médicos e também para outros profissionais de saúde que atuam nesses territórios rurais”, explicou.

Samuel Átila foi um dos médicos que fizeram o curso. Ele atende em Fortaleza e é integrante da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares (RNMP). “A gente viu este curso como uma possibilidade de aprender mais e alertar os médicos sobre os perigos do agrotóxico”, disse à Agência Brasil.

O médico destacou que, ao mesmo tempo em que ocorria o curso, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por maioria manter a lei que proibiu a pulverização de agrotóxicos no estado do Ceará. “Coincidiu com o curso em que a gente estava justamente aprendendo sobre os riscos de câncer, depressão, suicídio. Agrotóxico mata e é um dos maiores perigos que a gente tem no Brasil”, pontuou.

De acordo com o médico, o curso mostrou também ser possível ter uma produção agroecológica, que preserva o meio ambiente. “A nossa função é tanto denunciar o uso de agrotóxicos, como propor que a agricultura agroecológica de maneira sustentável, sem uso de agrotóxicos, é possível e é o futuro de vida e não de morte. Um futuro possível”, afirmou.

Publicidade

Samuel considerou também relevantes as informações transmitidas sobre a identificação dos agrotóxicos, a possibilidade de apresentar denúncias de intoxicações agudas por este tipo de produto, o acompanhamento e a vigilância das águas e como os agrotóxicos são analisados e liberados para uso pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “A gente aprendeu a levar este curso para os nossos territórios, replicar tanto para as pessoas do campo, como para as pessoas da cidade essa emergência do uso dos agrotóxicos no país”, completou.

O médico disse que ficou surpreso ao saber que a legislação brasileira, que trata desses produtos, é até considerada avançada, mas, ainda assim, os produtos perigosos são usados causando doenças nos usuários. Samuel defendeu uma revisão periódica da lista de produtos autorizados, que possam ter, atualmente, uma avaliação ultrapassada.

A união de várias entidades em parceria com a Fiocruz para a realização do curso, na visão do profissional, fortaleceu o combate ao uso indiscriminado do agrotóxico. “Esse é um momento de união. Junta a força que vem do campo com o MST, com a força mais institucional e acadêmica que dá o embasamento científico para a gente tocar o curso que é da Fiocruz, essa força das médicas e médicos que estão nos territórios e atendendo as populações intoxicadas, e a Campanha Permanente contra o Uso de Agrotóxicos, que é a junção dessas forças. A gente precisa juntar mais entidades que estejam sensíveis à causa”, apontou.

Qualidade da água

O médico Antônio Marcos de Almeida, mora há 12 anos no assentamento 16 de Março, no Pontão, no norte do Rio Grande do Sul. Segundo ele, uma das recomendações feitas no curso, de verificar a qualidade da água usada na produção dos alimentos, vai ser muito útil na região em que vive. “Nós temos a questão do agrotóxico na água que em Passo Fundo, próximo onde a gente mora e [onde] foram detectados 16 tipos de agrotóxico na água de consumo humano, sendo deles oito reconhecidamente cancerígenos. E, no assentamento, a gente não tem esse levantamento da água de consumo humano. São desafios que a gente vai ter neste período para ver e testar se está tendo resíduos na água consumida pela população”, relatou à reportagem.

Antônio Marcos revelou que, embora não tenha ainda uma correlação causal, o fato é que nos últimos anos aumentaram os casos de câncer de intestino, de mama e de pele, além da incidência de pessoas com o espectro autista. “É difícil estabelecer um nexo causal, mas que pode ter influência. A gente quer ver como consegue cientificizar isso que é a alta incidência de quadros do transtorno do espectro autista que a gente está tendo na comunidade”, comentou.

Publicidade

Outra preocupação, conforme o médico, são os casos de doenças neurodegenerativas, também sem se conseguir estabelecer qualquer nexo causal. “Como esclerose lateral amiotrófica, como algumas neuropatias de origem inexplicável sem uma doença de base. São desafios que a gente acaba levando para o território com muito mais trabalho a ser feito e colocado em cada diversidade brasileira. A situação do Norte não é a mesma do Sul, a do Nordeste não é a mesma do Centro-Oeste. É conseguir levar isso para a realidade local e interagir com os atores e forças locais”, concluiu.

H. Eduardo Pessoa é Jornalista com DRT e Desenvolvedor Front-End de diversos Portais de Notícias como este, destinados à Empreendedores, Jornalistas e Pequenas e Médias Empresas. Experiência de mais de 12 mil notícias publicadas e nota máxima de satisfação no Google e Facebook, com mais de 100 avaliações de clientes. Faça seu Portal conosco.

Saúde

AstraZeneca retira vacina contra covid após admitir efeito adverso raro

Redação O Fator Brasil

Publicado

em

A empresa farmacêutica AstraZeneca está retirando sua vacina contra a Covid-19 globalmente, de acordo com informações divulgadas pelo jornal britânico The Telegraph nesta terça-feira (7).

A vacina não está mais autorizada para uso na União Europeia, pois a empresa optou por retirar voluntariamente sua “autorização de comercialização”. O pedido para a retirada da vacina, conhecida como Vaxzevria, foi feito em 5 de março e entrou em vigor nesta terça-feira.

Solicitações semelhantes serão feitas em outros países, incluindo o Reino Unido, que havia aprovado anteriormente a vacina. Os Estados Unidos não chegaram a aprovar o uso deste imunizante.

Essa decisão ocorre após a empresa reconhecer judicialmente um efeito adverso considerado muito raro: a síndrome de trombose com trombocitopenia (STT), caracterizada pela formação de coágulos sanguíneos em combinação com baixos níveis de plaquetas no sangue. A AstraZeneca, no entanto, contesta esses casos no processo, argumentando que a STT pode ter outras causas mais prováveis.

Familiares relataram 51 casos de morte ou lesão grave devido à STT à Justiça. Essas pessoas são consideradas vítimas da síndrome e suas famílias buscam indenizações em uma ação coletiva, que podem chegar a até 100 milhões de libras (cerca de R$ 646 milhões).

Publicidade

Em nota, a AstraZeneca afirma que o efeito adverso já é conhecido desde abril de 2021 com atualização junto à agência reguladora do Reino Unido. “Nossa solidariedade vai para qualquer pessoa que perdeu entes queridos ou relatou problemas de saúde. A segurança dos pacientes é a nossa maior prioridade e as autoridades reguladoras têm normas claras e rigorosas para garantir a utilização segura de todos os medicamentos, incluindo vacina”.

Em dezembro de 2022, houve uma atualização na recomendação da vacina fabricada pela AstraZeneca no Brasil. O Ministério da Saúde passou a recomendar o uso do imunizante para pessoas com 40 anos ou mais, devido à identificação de efeitos adversos em faixas etárias mais jovens.

Segundo informações do The Telegraph, o primeiro caso relatado na ação coletiva foi o de Jamie Scott, registrado no ano passado. Jamie, pai de dois filhos, sofreu uma lesão cerebral permanente após desenvolver um coágulo sanguíneo e uma hemorragia no cérebro, o que o deixou incapaz de trabalhar após receber a vacina em abril de 2021.

 

Publicidade
Continue Lendo

Saúde

AstraZeneca admite à Justiça efeito colateral raro na vacina da Covid

Redação O Fator Brasil

Publicado

em

A gigante farmacêutica AstraZeneca admitiu à Justiça, pela primeira vez, a ocorrência de um “efeito colateral raro” na vacina que produz contra a Covid-19. A informação foi incluída em uma ação coletiva movida por pessoas que desenvolveram trombose após a vacinação na Inglaterra. No processo, 51 famílias pedem uma indenização de até R$ 700 milhões.

A AstraZeneca reconheceu que a vacina “pode, em casos muito raros, causar síndrome de trombose com trombocitopenia (TTS)”. Essa condição é caracterizada pela formação de coágulos de sangue, o que aumenta os riscos de entupimento de veias e artérias.

No Brasil, a vacina foi produzida em consórcio com a Fiocruz e aplicada em 153 milhões de pessoas, sobretudo em 2021 e 2022. A admissão dos efeitos colaterais pela farmacêutica virou, agora, alvo de comentários no meio político.

O Ministério da Saúde afirma que a vacina da AstraZeneca para a Covid-19 já salvou milhares de vidas, e que a não imunização seria o pior caminho.

Ministério da Saúde

“A vacina fabricada pela empresa AstraZeneca/Oxford, desenvolvida no início da pandemia, e produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), foi extremamente importante para o controle dos casos e a redução de óbitos por Covid-19 no país e no mundo, salvando milhares de vidas. Desde dezembro de 2022, essa vacina é indicada para pessoas a partir de 40 anos, de acordo com as evidências científicas mais recentes”, diz a pasta.

Publicidade

“O atual cenário da Covid-19 no país, com redução de casos graves e óbitos pela doença, é resultado da população vacinada. Os eventos adversos, inerentes a qualquer medicamento ou imunizante, são raros e ocorrem, em média, um a cada 100 mil doses aplicadas, apresentando risco significantemente inferior ao de complicações causadas pela infecção da Covid-19”, completou o Ministério da Saúde, em comunicado emitido ainda no ano passado.

Continue Lendo

Espírito Santo

Governo do Estado lança painel público para monitoramento dos dados da dengue

Redação O Fator Brasil

Publicado

em

O Governo do Estado, por meio do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) de Arboviroses, composto pela Secretaria da Saúde (Sesa), pela Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil (CEPDEC), pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Espírito Santo (CBMES) e pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), lançou nesta terça-feira (02) o Painel da Dengue. O Painel está disponível no site Mosquito, da Sesa, na aba “Painel de Monitoramento da dengue”, com disposição dos dados sobre a doença a todos os capixabas, e terá atualização diária, acontecendo quatro vezes ao dia. Desta forma, o seu desenvolvimento, feito em parceria com o Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Espírito Santo (Prodest), tem o objetivo de informar a população sobre a distribuição da doença ao longo de todo território, com dados gerais do Estado, por municípios e bairros, além de conscientizar, fortalecer e intensificar os cuidados para o controle do vetor da dengue, no caso, o mosquito Aedes aegypti. O painel é alimentado pelo Sistema de Informação em Saúde, o e-SUS Vigilância em Saúde (VS), por meio de dados lançados pelos serviços de saúde e pelas vigilâncias municipais na notificação e confirmação de casos de dengue desde 2022. A sua interface principal conta com informações sobre casos confirmados; óbitos confirmados; e evolução dos casos confirmados desde 2022. Ao clicar em cada retângulo, é disponibilizado uma outra tela com informações mais detalhadas, como de casos notificados e confirmados por semanas epidemiológicas em cada um dos 78 municípios do Estado e bairros, além dos óbitos em investigação e dados por faixa etária e gênero. Na opção “evolução dos casos”, é possível comparar o número de casos confirmados por semanas epidemiológicas nos últimos três anos. Outra informação importante é o mapa do Espírito Santo, localizado na aba de “casos confirmados”. O mapa muda de tonalidade, passando do laranja claro (baixa incidência), ao laranja mais escuro (média incidência), até chegar ao marrom (alta incidência), de acordo com o número de casos do município, levando em consideração a incidência de casos confirmados nos últimos 28 dias. A incidência de casos é uma importante variável para a epidemiologia e no controle da doença, em que se contabiliza o número de casos confirmados de dengue por 100 mil habitantes, em determinado espaço geográfico. Para este primeiro momento, em virtude do cenário, sendo a arbovirose mais prevalente no Estado, o Painel contará com dados da dengue. Os dados sobre Zika e chikungunya continuam sendo divulgados semanalmente por meio de boletins, no site https://mosquito.saude.es.gov.br/boletins. Para o subsecretário de Estado de Vigilância em Saúde, da Secretaria da Saúde, Orlei Cardoso, os dados apresentados no Painel poderão auxiliar no maior cuidado da população quanto ao controle do vetor e também relacionado à própria saúde. “Uma vez que a disponibilidade de dados por municípios e também por bairros, poderão trazer à população uma dimensão melhor do cenário do mosquito em sua região. Sabendo que está em uma área de alta incidência e com muitos casos confirmados, o objetivo é conscientizar e fortalecer a mensagem à população para que intensifique o controle do vetor, com limpezas para acabar com os criadouros em suas residências, e como consequência reduzir o número de casos da doença”, informou o subsecretário. O cuidado, segundo explicou Orlei Cardoso, está ligado também a manter a sociedade prevenida, pois além das ações do poder público, tendo o controle da população de mosquitos, tem-se a redução de casos da doença e dos riscos à saúde. “O Painel da dengue se soma a uma série de iniciativas do Governo do Estado no enfrentamento às doenças causadas pelo Aedes aegypti, como a capacitação de agentes do corpo de bombeiros, que estão atuando em apoio aos municípios nas áreas de maior incidência, a distribuição de equipamentos para aplicação de inseticidas, a liberação de recursos, capacitação de profissionais no manejo clínico, entre outras”, pontuou Cardoso. O Painel tem por objetivo reunir dados abrangentes e atualizados sobre a dengue, fornecendo uma visão detalhada do panorama epidemiológico no Espírito Santo desde 2022 até o momento. A partir da página principal, com dados sobre casos confirmados, óbitos e a evolução dos casos, são disponibilizadas novas páginas com informações mais detalhadas, onde a população poderá consultar os casos confirmados por cidades e bairros, de acordo com o ano selecionado; ter acesso à incidência de casos, assim como ao perfil dos óbitos confirmados; e a possibilidade de conferir a evolução dos casos confirmados de dengue por semanas epidemiológicas dos últimos três anos. Nesta página, de evolução de casos, os dados de notificação e confirmação são a soma dos anos de comparação. O diretor setorial de Estudos e Pesquisas, do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), Pablo Jabor, contou sobre o processo de criação. “Juntamos as expertises de todos os setores envolvidos para o desenvolvimento do Painel. Já tínhamos a experiência da Covid-19, e precisávamos estruturar as informações, de forma que toda sociedade tenha acesso e faça a compreensão de maneira fácil e rápida. Assim nasceu o Painel da Dengue”, disse o diretor. Para Jabor, uma das prioridades da equipe foi a de poder trazer os dados dos bairros, como uma importante fonte de informação a ser acessada pela população. “A equipe planejou a arquitetura do Painel, com a possibilidade de se guiar por casos nos municípios e também por seus bairros”, explicou.
Continue Lendo
Publicidade
Publicidade

Política

Publicidade

Tendência